Sexta-feira dia 22 de julho de 2016

Música posta e preparados para acordar, os pequenos cirinos levantam-se para um novo dia.

Energias repostas? Check. Cara lavada? Check. Roupa vestida? Check. Com toda a vestimenta, os cirinos estão mais que prontos para encherem as suas barriguinhas, dirigindo-se então para a bokassa. Com leite na mesa, pão e manteiga, os pequenos não torcem o nariz e saciam a fome num ambiente calmo. Após o pitéu e acompanhados pelo seu namek, os cirinos pensam em obter mais uma medalha, para tal, arrumam a sua carabina para ficar bem limpa e cheirosa.

Protetor solar? Check. Carabina a brilhar? Check. Seguem para a praia. A bandeira verde surpreendeu os cirinos, que cheios de confiança puseram os pés na areia e partiram à busca de novas brincadeiras. Castelos na areia, torneios, jogos de cartas e muitos risos preencheram o tempo e a manhã em Namalek. Com a barriga a dar horas e energias a 70% os cirinos só pensam em alimentarem-se.

O barulho dos talheres abafou a bokassa e, após almoçarem, partiram para a hora da sesta: descanso precioso para quem está cansado de brincar. Acordados sem pressas e fatos de banho postos, partiram novamente para a praia.

Mais areia no corpo? Hum não, não é problema para estes meninos. Rebolar na areia, apanhar sol, bronzear, rir, sorrir e encantar até que… os namek reúnem os cirinos. “Então o que vai ser para fazer?” ouvia-se da boca de vários cirinos prontos para uma explicação. A roda dividida em cinco partes no meio da areia, deixava estes pequenos confusos e cheios de curiosidade. O jogo do diamante foi explicado. Desde logo, o interesse em participar aumentava a cada minuto e a ansiedade para começar o jogo apoderava-se deles. Quando os cinco primeiros grupos se preparavam para jogar, os restantes ficavam de fora à espera de dois semi finalistas para jogarem contra eles. Mas quem será que vai ganhar? Cada fação lutava pela vitória e por mais uma medalha no quadro de mérito. Jogo terminado e os pequenos só pensavam em voltar a repetir o jogo. Final de tarde passada na praia e só restavam os banhos para retirar toda a areia e sal colados aos corpos dos cirinos.

Novamente com fome, os cirinos e Nameks jantaram a saborosa refeição confecionada pela D. Saudade. Estômago cheio e prontos para mais um passeio higiénico as fações apoderaram-se de Namalek e, cada uma, preparou diversas atividades refletindo no dia que se passou. Concentrados na entrada de Tiresopólis, os cirinos tentavam imaginar o que se iria passar no serão. Será que vai aparecer o Galitano e relevar os seus segredos? Ou será o tio Gouchete com mais uma das partidas? A dúvida pairava no ar até que… “ Cirinos, preparados para o serão?”. Entusiasmados apressaram-se em direção ao Campaoré e uma notícia arrebatadora caiu sobre eles: O tio Gouchete desapareceu. Será que foi raptado ou mais uma vez foi de viagem? Clitorana tentou descobrir através das suas majestosas clientes, o paradeiro do “todo poderoso” e sem sucesso, chamou o seu querido Galitano para lhe entregar o segredo que o tio guardava a sete chaves. Um grande suspense apoderou-se quando os cirinos perceberam que na verdade Clitorana, braço direito e esquerdo do Gouchete, estava a ajudar o seu inimigo Galitano. Sem dar mais história o serão encerra com um debate acerca do dia e algumas músicas para acalmar os cirinos para o que vinha a seguir: dormir.

Finalmente estes pequenos podem descansar nas suas carabinas e repor as energias para o dia seguinte. Iogurte na barriga, pijama vestido e dentes lavados…

Boa noite queridos cirinos.